Toyota Corolla GLI 1.8 VVTi

A linha 2012 do campeão de vendas do concorrido segmento dos sedans médios no Brasil, o Toyota Corolla, trouxe algumas novidades estéticas para deixar o modelo no topo da preferência dos brasileiros por mais um tempo.

Afinal, não faltam concorrentes em nosso mercado, entre eles podemos destacar o principal rival, o New Civic, – que em breve receberá um profundo facelift -, o novo VW Jetta, o acertado Renault Fluence, o esquecido Peugeot 408 e o Hyundai Elantra, que chega em breve ao mercado.

Como em time que está ganhando não se mexe, a Toyota fez apenas pequenas mudanças estéticas no sedan, sem alterar muito o visual conservador do Corolla. O modelo recebeu novas rodas para as versões topo de linha, a versão avaliada, GLi, de entrada, usa as rodas da XLi. O sedan também ganhou novos pára-choques, dianteiro e traseiro, uma nova grade dianteira e na parte traseira foram adicionadas novas lanternas, com uma nova disposição da iluminação. As versões XEi e Altis tem lanternas com lâmpadas de LED.

As tímidas mudanças aplicadas na carroceria, continuam no interior, a versão avaliada GLi tem um acabamento bem simples, com plásticos mais rígidos e algumas falhas de encaixe, observado nos comandos do som do volante, que estavam desnivelados com o centro da buzina. A linha 2012 ganhou novo revestimento nos bancos e novas cores no painel, que vem em dois tons de cinza, mais claro na parte inferior, e mais escuro na parte superior. A posição de dirigir é fácil de achar, graças às regulagens de altura e profundidade do banco e volante. O banco é um pouco duro e cansa em viagens mais longas, mas não incomoda do dia-a-dia do trânsito pesado.

O Corolla GLi, apesar de ser a versão de entrada, vem com muitos itens de série como sistema de áudio com conexão auxiliar e travamento automático das portas quando a velocidade do carro ultrapassa os 20Km/h, direção eletricamente assistida, com alarme com acionamento na chave, volante ajustável em altura e distância, rádio/toca-CDs com MP3, comandos do sistema de som e do computador de bordo no volante, air-bags frontais, ar-condicionado automático, comando interno para abertura do tanque de combustível e porta-malas e controle elétrico dos vidros com função um – toque, travas e retrovisores elétricos. Além de freios ABS, iluminação do painel Optitron retrovisores com recolhimento elétrico, banco traseiro bipartido na proporção 60/40 e rodas de alumínio de 16 polegadas.

Outra novidade na linha 2012 do Corolla fica por conta do motor, que recebeu várias melhorias, visando o desempenho e a economia de combustível. O propulsor 1.8 Flex usa a nova tecnologia Dual VVT-i, com comando de válvulas variável também para o sistema de escapamento, que teve como conseqüência o aumento da taxa de compressão de 10:1 para 12:1, com a utilização de velas de irídio e tuchos hidráulicos. Com essa nova configuração o motor teve sua potência aumentada e passa a ser de 139 cavalos com gasolina e que atinge 144 cv com etanol.

Segundo a montadora esses números representam um aumento de 6% na potência. Além da cavalaria aumentada, o torque também foi melhorado, passando de 17,3 mkgf@4.200 rpm para 18 mkgf@4.400 rpm (gasolina) e de 17,5 mkgf@4.200 rpm para 18,6 mkgf@4.800 rpm (álcool). O que ajudou a dar mais fôlego ao sedan, deixando mais esperto nas acelerações e ultrapassagens. Em termos de consumo, o modelo fez uma média de 6,7 Km/l com etanol, sempre rodando na cidade e com o ar-condicionado ligado o tempo todo, rodei apenas 220 Km com o Corolla e o tanque chegou exatamente na metade.

O modelo avaliado estava equipado com o novíssimo cambio manual de seis velocidades, com a sexta marcha mais longa, o que permite o motor trabalhar em baixas rotações a uma velocidade de cruzeiro de 120 Km/h sem perder potência, as outras marchas se mantiveram como no cambio de cinco marchas, com trocas curtas e macias. A aceleração de 0 a 100 Km/h é feita em 12,2 segundos e sua retomada de 60 a 100 km/h é de 8,4 segundos. O Corolla GLi 2012 tem o preço inicial de R$ 67.070 com câmbio manual de seis marchas e chega a R$ 70.570 reais no modelo com câmbio automático.

*FICHA TÉCNICA

MOTOR – transversal, 4 cilindros em linha; comando no cabeçote, 4 válvulas por cilindro. Diâmetro e curso: 80,5 x 88,3 mm. Cilindrada: 1.798 cm3. Taxa de compressão: 12:1. Injeção multiponto sequencial. Potência máxima: 139 cv (gas.) e 144 cv (álc.) a 6.000 rpm. Torque máximo: 18 m.kgf a 4.400 rpm (gas.) e 18,6 m.kgf a 4,800 rpm (álc.).

CÂMBIO – manual, 6 marchas, ou automático, 4 marchas; tração dianteira.

FREIOS – dianteiros a disco ventilado; traseiros a disco; antitravamento (ABS).

DIREÇÃO – de pinhão e cremalheira; assistência elétrica.

SUSPENSÃO – dianteira, independente McPherson; traseira, eixo de torção.

RODAS – 6 x 16 pol; pneus, 205/55 R 16.

DIMENSÕES – comprimento, 4,54 m; largura, 1,76 m; altura, 1,48 m; entre-eixos, 2,60 m; capacidade do tanque, 60 l; porta-malas, 470 l; peso, 1.245 kg (manual) e 1.255 kg (automático)

*Dados do fabricante

Texto e imagens: Marcus Lauria – Carpoint News