Avaliação: Nissan March 1.0 – CarroHoje.com – Revista digital de automóveis.

CarroHoje.com – Revista digital de automóveis.

Fique por dentro dos lançamentos e notícias da indústria automotiva, competições, clássico s e mais sobre o mundo do carro.

Avaliação: Nissan March 1.0

Lançado em setembro deste ano, em San Diego (EUA), o Nissan March chega com o principal propósito de alavancar as vendas da marca japonesa no Brasil.

“Com o March passaremos da segunda para a primeira divisão”, declarou o presidente da marca japonesa no Brasil, Christian Meunier. E é com esse entusiasmo que a marca quer estar entre as seis montadoras do país. O pequeno modelo japonês é fabricado no México, na planta de Aguascalientes e também é oferecido em outros mercados com o nome Micra.

A Nissan do Brasil quer alcançar uma participação de mercado de 5%, que atualmente não passa dos 2% e uma meta de conquistar vendas anuais de até 200 mil unidades, até 2014, com a inauguração da fábrica no Brasil, no Rio de Janeiro. Vendido em cinco versões, o March pretende alcançar todo o tipo de público interessado em modelos compactos premium, o carrinho começa em R$ 27.790 na versão de entrada equipada com um motor 1.0 (modelo cedido para avaliação), e à partir de R$ 33.390, na versão 1.0S. Quem optar pelo motor 1.6 16V de 111 cv, os preços começam em R$ 35.890 para o 1.6 S, passando para R$ 37.990, no 1.6 SV e chegando a R$ 39.990 na topo de linha 1.6 SR.

Lançada em 2010, esta quarta geração do Nissan March é produzida atualmente na Tailândia, Índia, China e México. O compacto utiliza a nova plataforma V (de versátil) da Nissan, possui linhas arredondadas e expressivas, há os que gostam e os que odeiam, opiniões essas, que puderam ser percebidas durante o teste. O seu desenho foi criado após muitos estudos da equipe de design da Nissan, por exemplo, posso citar as rodas, que foram empurradas para as laterais para conseguir esse efeito de maior espaço.

Por fora, a dianteira chama a atenção com os faróis ovais, e a grade no centro do para-choque, que tem camada dupla integrada com grande abertura inferior. As laterais com para-lamas proeminentes dão a impressão de os amortecedores estarem no seu interior. Os para-lamas elevados também contribuíram para melhorar a visão do motorista e a cintura baixa permite visibilidade lateral suficiente para dar segurança. O teto parece que foi amassado em um portão de garagem, mas não se engane, o March recebeu dois “V”, que lembram a forma de bumerangues, que segundo a Nissan “têm função importante, pois foram pensados para dar maior robustez ao carro e permitir a utilização de uma arquitetura mais fina da placa, sem comprometer a estrutura e a segurança”, além de diminuir os ruídos produzidos pelo impacto do vento, assim como a extremidade traseira do teto foi levemente elevada para ajustar o fluxo de ar para os lados, deixando seu coeficiente de arrasto em 0,33.

Por dentro, o March tem bastante espaço para quem vai à frente, uma pessoa de mais de 1,85 entrou no carro e dirigiu por um trajeto grande e se sentiu confortável ao volante, a única reclamação foi por conta dos pedais do acelerador de freio, que são bem juntos e acabam prendendo o calçado, comprometendo a segurança. Para quem vai atrás, a situação é oposta, o espaço é reduzido e o banco da frente acaba roçando nos joelhos, comprometendo o conforto, no caso de uma viagem mais longa, o ideal é colocar somente duas pessoas nos bancos traseiros, um terceiro ocupante deixaria o espaço comprometido.

O March mede 1,53 m de altura, 1,66 m na largura, 3,78 m de comprimento e 2,45 m de distância entreeixos. O seu porta-malas comporta até 265 litros, volume apenas razoável. Os bancos são confortáveis, mas não transmitem muita segurança nas curvas, as abas laterais deviam ser maiores para apoiar melhor o corpo, mas com a espuma macia, o banco não cansa em viagens ou trajetos mais longos. A posição de dirigir é fácil de achar, o motorista conta com o ajuste de altura, que pode elevá-lo em 40 mm, item de série desde a versão de entrada, as manobras são facilitadas pela direção elétrica progressiva de série, o que torna o esforço das manobras mais agradáveis.
Ainda por dentro, o March oferece uma boa ergonomia, como o painel de instrumentos de fácil leitura com velocímetro, conta-giros e computador de bordo. O volante de três raios com ajuste de altura tem excelente empunhadura, assim como os comandos do aquecimento, ar-condicionado e ventilação, de áudio e outros são de fácil manuseio. O modelo deixa a desejar no acabamento de plástico duro por todos os lados, apesar das peças estarem muito bem encaixadas, sem nenhuma rebarba, o aspecto é de muita simplicidade para ser o primeiro popular japonês, acabamento esse, inferior ao seu maior rival, o coreano Kia Picanto.

Sob o capô o March avaliado carrega um motor 1.0 16V (998 cm³) bicombustível, que foi desenvolvido pela Aliança Renault-Nissan, o mesmo do Clio, mas que segundo a marca, foi afinado para empurrar o pequeno modelo japonês. Os quatro cilindros em linha geram 74 cavalos de potência a 5.850 rpm e 10 kgfm de torque a 4.350 rpm, tanto com etanol como com gasolina. Segundo a montadora, sua aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 14,48 segundos com gasolina, e em 13,79 segundos com etanol, o propulsor se mostrou bem ágil no trânsito com boa desenvoltura, deixando à desejar nas subidas mais íngremes, situação normal para os modelos de baixa cilindrada. Em conjunto está um câmbio manual de cinco velocidades, com engates preciso e curtos, mas que em certas situações acabam incomodando, principalmente nas trocas entre a segunda e a terceira marchas, que teimaram em arranhar.

Um dos pontos positivos do March é o conjunto da suspensão. Bem acertada, o modelo tem a suspensão dianteira independente, tipo McPherson, e a traseira tem eixo de torção que deixam o compacto japonês bem á vontade nas curvas mais fechadas, porém transmite todas as irregularidades do piso para dentro da cabine sem cerimônia. Além de ser bem leve, o compacto pesa entre 925 kg e 938 kg na versão 1.0. Já o consumo foi desastroso, apesar da marca informar que o March faz 10 Km/l com etanol, em nosso teste, o modelo fez uma média de 6,5 Km/l com o mesmo combustível, isso andando sempre com o ar-condicionado ligado em perímetro urbano. Mas com gasolina essa média deve melhorar bastante.

Com um bom pacote de equipamento e um preço competitivo, a novidade da Nissan deve agitar o mercado de modelo compacto premium. O March traz itens de série bem interessantes em todas as versões, como: airbag duplo, espelhos externos reclináveis, travas elétricas sensíveis à velocidade, imobilizador, computador de bordo, porta-luvas com tampa e porta-cartões, desembaçador traseiro, cobertura de bagageiro desmontável, direção elétrica progressiva e encosto traseiro reclinável.

Quem comprar o Nissan March contará ainda o “Compromisso Nissan March”, um pacote de preços e serviços que o tornará mais competitivo no segmento também na manutenção.Entre estes serviços estão três anos de garantia e dois anos da assistência 24h do Nissan Way Assistance e preços fixos de revisão com mão de obra, que será o mesmo cobrado em todo o país. O March é vendido com as seguintes cores: Laranja Califórnia, Cinza Magnetic, Branco Aspen, Prata Classic, Azul Egeu, Vermelho Fuji e Preto Premium.

[nggallery id=140]

*FICHA TÉCNICA:

Motor

Cilindrada: 998 cm3
Comando: fixo, SOHC 16V
Cilindros: 4 em linha
Diâmetro e curso: 69 x 66,8 mm
Posição: dianteiro, transversal
Taxa de compressão: 10:1
Potência a gasolina: 74 cv a 5850 rpm
Potência a etanol: 74 cv a 5850 rpm
Torque a gasolina: 10 kgfm a 4350 rpm
Torque a etanol: 10 kgfm a 4350 rpm

Transmissão

Tipo: manual de 5 marchas

Eixo dianteiro

Suspensão: independente, McPherson
Freios: disco ventilado
Diâmetro: 260 mm

Eixo traseiro

Suspensão: semi-independente, eixo de torção
Freios: tambor
Diâmetro: 203 mm

Rodas e pneus

Rodas: De aço
Aro 14 polegadas
Pneus: 165/70 R14

Dimensões

Peso: 925 kg
Tanque de combustível: 41 litros
Porta-malas: 265 litros
Comprimento: 3,78 m
Largura: 1,665 m
Altura: 1,528 m
Entre eixos: 2,45 m
Com gasolina

Velocidade máxima: 167 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h: 14,5 s
Consumo na cidade: 14,2 km/l
Consumo na estrada: 21,2 km/l
Com Etanol

Velocidade máxima: 167 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h: 13,8 s
Consumo na cidade: 9,5 km/l
Consumo na estrada: 13,7 km/l

* Dados de fábrica

Texto e imagens: Marcus Lauria – Carpoint News

Compartilhe: