Nissan Versa SL – CarroHoje.com – Revista digital de automóveis.

CarroHoje.com – Revista digital de automóveis.

Fique por dentro dos lançamentos e notícias da indústria automotiva, competições, clássico s e mais sobre o mundo do carro.

Depois que o Renault Logan foi lançado, muitas montadoras resolveram seguir essa fórmula que vem dando certo em vários países, principalmente nos em desenvolvimento, como o Brasil. Os sedãs compactos que prezam pelo conforto a bordo e o espaço no porta-malas estão em evidência. Esses carros que deixam de lado a parte estética e prezam pelo custo/benefício já se tornaram os preferidos dos Brasileiros, e são fatores decisivos na hora de assinar o cheque na concessionária.

Racional, robusto e com preço baixo, essa é a fórmula que vem conquistando cada vez mais espaço nas lojas. A Nissan, associada à Renault, não poderia ficar fora desta e lançou o sedã Versa, que tem um estilo próprio, bem diferente da concorrência. A carroceria ao mesmo tempo mostra formas arredondadas e retas, que formam um conjunto quase harmonioso, se não fosse o formato da tampa do porta-malas e da lanterna traseira.

O Nissan Versa mede 4,50 metros de comprimento, com um distância entre-eixos de 2,60 metros, números que favorecem o espaço interno. O modelo usa a plataforma V (de versátil), a mesma do compacto March. Por fora as linhas da carroceria se destacam, agradando ou desagradando a alguns que tiveram contato com o carro durante o nosso teste. Na frente, chamam a atenção os faróis em forma de gota, que invadem os pára-lamas e parte do capô, que faz conjunto com a grade em forma de “V” com a borda cromada e o logo na Nissan ao centro. O pára-choque exibe uma mistura de formas retas e arredondadas, com faróis de milhas redondos nas extremidades e uma grande entrada de ar ao centro.

Visto de lado, o Versa mostra um capô longo, três vincos que partem da base das portas e linha da cintura alta que fazem conjunto com a curva do teto mais inclinada na traseira. Na traseira, as lanternas com formato irregular chamam a. Elas invadem os para-lamas traseiros e parte do pára-choque e não harmonizam com a dianteira. Devido à robustez da carroceria, as rodas de 15 polegadas com pneus 185/65 R15 parecem pequenas.

Se por fora o desenho da carroceria não agrada a todos, por dentro o Versa compensa alguns deslizes do pessoal do design. Com um amplo espaço no habitáculo, o conforto faz parte do dia a dia de quem anda nesse sedã japonês. Principalmente para quem vai à frente, onde o espaço é bem agradável. Atrás devido às formas arredondadas da carroceria, o carro perde em praticidade, pois três adultos chegam a se apertar no banco traseiro devido principalmente a curvatura no teto, principalmente para quem tem mais de 1,90m. Mas o espaço para as pernas no banco traseiro são garantidos e não oferecem incomodo algum, mesmo com os bancos dianteiros na regulagem máxima. Esta versão avaliada traz como item de série o pacote Fine Vision, que deixa o painel de instrumentos com iluminação branca e marcadores vermelhos. O modelo também tem rádio CD Player com função MP3, entrada auxiliar, conexão para iPod e 4 alto-falantes.

Apesar de não utilizar materiais nobres em seu interior, o Versa é bem arrumado, tem plásticos de acabamento razoável agradáveis ao toque e quadro de instrumentos de bom gosto e de fácil visualização e nenhuma rebarba aparente. O banco do motorista com regulagem de altura e o volante regulável apenas em altura, deixam a posição de dirigir bem fácil de achar. Para facilitar ainda mais as manobras, o Versa conta com direção com assistência elétrica, que é muito leve, mas que mantém sua rigidez em velocidades elevadas. Conforto é a palavra-chave para esse sedã, seu amplo porta-malas tem capacidade para carregar até 460 litros, suficiente para uma família de quatro pessoas. A tampa do porta-malas pode ser aberta internamente por meio de comando no assoalho e também pelo comando na chave. Os retrovisores estão bem dimensionados o que ajuda na visibilidade lateral traseira limitada, comum nesse tipo de sedã.

Sob o capô está o motor da Nissan, que usa corrente em vez de correia dentada, na posição transversal, quatro cilindros em linha de 1.6 litros e 16V que desenvolve potência máxima de 111cv (gasolina/etanol) a 5.600rpm e torque máximo de 15,1kgfm (g/e) a 4.000rpm. O propulsor é suficiente para empurrar os 1.069 kg do sedã, as acelerações são lineares, sem trancos e dão muita desenvoltura no dia a dia. O Versa mostrou ter força suficiente em baixas rotações durante a avaliação. Enquanto que o cambio é bem escalonado e preciso, mas não tem as trocas tão macias, como esperado. As trocas de marchas são feitas aos 4.000 rpm, para melhorar o desempenho do carro, forçando muito o motor, que com o barulho acaba invadindo a cabine.

Com uma suspensão bem acertada dinamicamente, o conjunto se mostrou rígido para enfrentar curvas mais sinuosas sem susto. A carroceria rola pouco e a comunicação entre rodas e volante é agradável. Porém se mostrou irregular em superfícies com buracos e lombadas, com batidas secas para os ocupantes do banco traseiro. O freio tem boa sensibilidade e relação, com um toque suave no pedal é possível ter segurança nas frenagens, sempre mantendo a trajetória, devido ao ABS eficiente. Durante o teste, o computador de bordo do Nissan Versa marcou uma média de 7,5 km/l com etanol, mas chegou a fazer uma média de 9,0 Km/l na ponte Rio-Niterói, sem trânsito a uma velocidade constante de 100 Km/h.

O Nissan Versa SL avaliado parte de R$ 41.290, com o IPI reduzido, o preço antigo era de R$ 43.890, ou seja, R$ 2.600 à mais. Por esse valor o modelo chega equipado com freios ABS com EBD e BA, rodas de liga leve de 15”, faróis de neblina, painel “Fine Vision” e maçanetas internas cromadas. A versão SL não tem itens opcionais.

[nggallery id=170]

Texto e imagens: Marcus Lauria – CarpointNews

Compartilhe: