Mecânica online: economia na pressão certa

pneus-1

Pressão correta dos pneus é importante para sua segurança e economia. Tecnologia pode ser importante aliada.
Quando o assunto envolve seu bolso e pressão com certeza você desperta sua atenção para saber melhor como essa relação pode trazer benefícios para você.

Não vamos abrir espaço em nossa coluna para falarmos sobre inflação, mas sobre economia e segurança quando os pneus do seu veículo rodam na pressão correta. Saiba também como a tecnologia pode ser uma forte aliada nessa atividade.

Levantamentos recentes revelam que 45% dos motoristas rodam com a pressão dos pneus fora dos limites recomendados. Cerca de 20% dos casos são considerados muito perigosos, com risco de rompimento do pneu a curto e médio prazo. Manter a pressão recomendada dos pneus é garantia de melhor performance e durabilidade, além de ser essencial para sua segurança.

Uma pressão abaixo da recomendada reduz a durabilidade do pneu (em pelo menos 8.000 km), aumenta o consumo de combustível e favorece o risco de explosão e acidentes na pista. A pressão é definida conforme a carga do veículo e a geometria do pneu, de acordo com as especificações do fabricante do veículo e as regulamentações internacionais (INMETRO).

pneus-2

Quando temos um pneu com pressão variando de 7 a 15 PSI abaixo da recomendada, ou mesmo abaixo de 15 PSI da recomendada temos sério rico de explosão, aquaplanagem, excessivo desgastes dos ombros do pneu e significativo aumento do consumo de combustível.

A baixa pressão pode provocar uma redução de 30% na durabilidade do pneu. Quanto mais baixa a pressão, maior a velocidade de desgaste e maior a sobrecarga da banda de rodagem com o solo.

A rodagem de um pneu com baixa pressão ocasiona uma deformação exagerada e um aquecimento anormal. A consequência é a degradação irreversível dos elementos que constituem o pneu, podendo provocar descolamentos internos e pode favorecer o risco de explosão do pneu. A baixa pressão também compromete a dirigibilidade do veículo, ou seja, provoca uma redução na precisão da direção, o que pode ocasionar acidentes graves.

Quando temos o pneu com pressão acima da recomendada, a área de contato com o solo diminui e reduz a aderência do pneu. Isto pode aumentar o risco de acidentes em casos de frenagem de emergência e ocasionar a perda da trajetória do veículo nas curvas, em alta velocidade.

O pneu, que participa da suspensão do veículo, fica mais rígido, provocando uma redução do conforto ao dirigir, assim como um desgaste prematuro da suspensão.

Então fique atento e calibre os pneus pelo menos a cada 15 dias ou antes de uma viagem. Atualmente já temos vários veículos com sistema de monitoramento da pressão dos pneus (TPMS – “Tire Pressure Monitoring System”) que pode ser visualizado no quadro de instrumentos do veículo.

Recentemente avaliamos o Nissan Altima que chega ao Brasil direto dos Estados Unidos. Por lá nada de frentista no posto para ajudar o motorista, assim, o modelo tem uma função a mais no monitoramento da pressão dos pneus: ao parar em um posto de gasolina e iniciar a calibração, o motorista receberá a confirmação de que o pneu está com a pressão correta com um aviso sonoro – toque da buzina. Caso a pressão colocada ultrapasse a recomendada, serão emitidos três toques de buzina e as luzes do carro piscarão.
Dicas de segurança
· Calibre os pneus pelo menos a cada 15 dias ou antes de uma viagem.

· Se um pneu perde mais que 1,5 PSI/mês, existe um risco de fuga anormal da pressão: verificar o conjunto pneu/roda com um profissional qualificado.

· Nunca desinfle um pneu aquecido.

· Ter tampas nas válvulas de todos os pneus.

· Não esqueça de verificar a pressão do pneu estepe.

· Depois de rodar com uma pressão muito baixa, nunca calibrar o pneu novamente sem verificar se seu interior apresenta alguma anomalia.

· Um pneu inflado com nitrogênio deve ser verificado segundo as mesmas regras de um pneu inflado com ar. A utilização do nitrogênio não substitui a verificação quinzenal da pressão dos pneus.

tarcisio_assinatura