Volkswagen Speed Up! – avaliação

up-7

Motor 1.0 turbinado não é novidade por aqui, especialmente para a VW, que já nos agraciou com um Gol que trazia sob o capô essa combinação de motor pequeno e turbina. O saudoso Gol Turbo viveu entre 2000 e 2003, e trazia um motor AT 1.0 16V com bloco reforçado e injeção de óleo nos pistões, além de outras modificações, e sua turbina era refrigerada por um intercooler. Com isso, o propulsor rendia 112 cv de potência e 15,8 kgfm de torque entre 2.000 e 4.000 rpm. Graças à aceleração de 0-100 km/h em 9,6 segundos, foi tratado pela VW como esportivo, e alguns donos cuidaram (ou judiaram) dele como tal.

Para não repetir a mesma situação que causou a vida curta do Gol Turbo, a estratégia da VW com o up! TSI é outra. Ao invés de considerar o carro como um esportivo, suas campanhas de marketing focam na aliança entre desempenho e eficiência energética, unindo dois extremos que até pouco tempo pareciam bem distantes de uma convivência harmônica. Durante nosso teste pudemos conferir quão rápido e econômico este carro é, mas antes de comentar isso, vamos a alguns detalhes técnicos.

Este up! turbinado utiliza o motor EA-211 1.0 12V de três cilindros que já conhecemos, mas seu upgrade de performance não se limita à mera instalação de um caracol do poder em suas entranhas. O motor ganhou injeção direta de combustível com pressão de 250 bar, duplo comando variável (no aspirado é variável só na admissão) além de novos componentes como bielas, pistões, cabeçote e virabrequim forjado. Até mesmo o bloco do motor foi modificado e conta com um radiador de óleo para evitar excessos de temperatura no conjunto.

Cereja do bolo, a pequena turbina é fabricada pela BorgWarner e gira a uma pressão de 0,9 bar. Por ser pequena e leve, sua inércia é baixa para diminuir o turbo lag, e isso resulta no torque máximo de 16,8 kgfm totalmente disponível entre 1.500 e 4.000 rpm. Sua potência também teve um belo ganho em relação ao modelo aspirado, são 105 cv @ 5.000 rpm. Não parecem e nem são números muito expressivos à primeira vista, mas graças ao baixo peso de 1.000 kg, o carro é capaz de acelerar de 0-100 km/h em 9,1 segundos de acordo com a VW.

Além do coração mais vigoroso, o up! TSI ganhou um pouco de musculatura, com discretos reforços estruturais, discos de freio dianteiros de 256 mm (ante 236 mm do aspirado) e um pequeno redimensionamento dos amortecedores e molas em virtude do ganho de torque. Mas nada disso tem viés esportivo, é apenas a tonificação natural das pernas de um velocista que passou a treinar mais e melhor.

Esta versão Speed up! é vendida exclusivamente com motor turbinado, e conta com detalhes em preto brilhante no para-choque dianteiro e no teto, interior com revestimento em cor preta no teto e colunas, além de rodas exclusivas calçadas com pneus 185/60 R15. Os retrovisores azuis e a faixa azul na lateral do carro remetem à eficiência energética do carro, e novamente casam a esportividade com o baixo consumo, que é camisa que o pequeno turbinado usa aonde quer que ele vá. Sua tampa preta do porta-malas é comum a qualquer up! TSI.

Suas dimensões são praticamente as mesmas do up! aspirado, com um discreto ganho de 40 mm na dianteira para que o radiador do intercooler fique abrigado atrás do para-choque dianteiro. Com 3,64 m de comprimento, 2,42 m entre os eixos, 1,64 m de largura e 1,50 m de altura, ele continua sendo um ótimo compacto para uso urbano, com uma saborosa disposição extra para se impor no trânsito. A contrapartida é que seu espaço interno é pequeno para quatro adultos acima de 1,75 m, e cinco adultos só viajam juntos se forem bem íntimos entre si. No porta-malas, há um razoável espaço para 285 litros, na média de outros compactos.

A posição de dirigir é boa graças aos ajustes de altura do banco e da coluna de direção. Não há ajuste em profundidade do volante, mas nesse carro não faz falta pois o painel pequeno permite que o motorista encontre espaço suficiente para ficar mais perto do volante sem ter as pernas espremidas. A visibilidade é ótima, no nível que se espera de um carro pequeno. Há poucos itens de conforto a bordo, e faltam itens como vidros elétricos na traseira ou uma mísera porta USB (quando o carro é equipado com Maps & More). A qualidade de acabamento é boa para um compacto, mas pobre quando lembramos o preço que é cobrado pelo carro.

Manobrar um carro tão pequeno é tarefa simples e agradável, e o mesmo pode se dizer do seu comportamento urbano. Graças à grande oferta de torque em baixa, o carro ganha velocidade com facilidade e responde bem em qualquer situação, sem contar que seu câmbio MQ200 é um dos melhores do mercado. A alteração da suspensão, especialmente na dianteira, tornou o carro mais apto a lidar com lombadas e buracos, embora o carro ainda balance um pouco quando passamos nas ruas mais crocantes. Mas poucas coisas são tão satisfatórias como fazer 10 km/l de etanol na cidade, mesmo com trânsito pesado.

E se o up! aspirado já era valente na estrada, o modelo turbinado é ainda melhor. Suas relações de marcha foram mantidas, mas o diferencial foi alongado em 26%, e isso significa uma rotação de 2.500 rpm a 100 km/h. E considerando que nessa rotação o motor está entregando seu torque máximo, mesmo em última marcha o carro tem força de sobra para variações de relevo ou retomadas mais suaves. Para ultrapassagens, o recomendado é reduzir uma ou duas marchas e afundar o pé, e o pequeno carro irá te surpreender com a facilidade na qual ele ganha velocidade. Mas o melhor de tudo é ver números como 15 km/l (de etanol) surgindo no computador de bordo.

Mas afinal, se o carro acelera tão bem, ele também se comporta como esportivo nas curvas? Na verdade, não. Embora seja um carro com respostas rápidas de direção e boa estabilidade em uso normal, no limite ele tem boa tendência ao subesterço, e a carroceria sólida rola um pouco, visto que seus amortecedores estão longe de possuir uma calibração esportiva. Os freios respondem bem, sem fading, mas estão longe de oferecerem uma resposta afiada, enquanto o feeling do pedal é apenas mediano. Seus pneus Hankook 185/60 R15 também não ajudam e “dobram” um pouco em curvas mais fortes e, por fim, seu sistema M-ABS de controle de tração é pouco permissivo, cortando o motor ao primeiro sinal de que as rodas dianteiras estão girando em falso. Não há controle de estabilidade, ponto negativo para a VW.

Diante de tudo o que foi dito, podemos concluir que o VW up! TSI não é apenas um bom carro, é também o início de uma nova era, aonde os pequenos motores turbinados finalmente chegaram a carros mais acessíveis. E embora os R$ 52.510 cobrados pelo Speed up! TSI com Maps & More seja um montante desanimador, a melhor versão do up! com motor turbinado é a Move up!, que por R$ 46.740 traz tudo o que você precisa para desfrutar de tanto desempenho e economia. Ou isso, ou esperar a VW colocar esse motor em um carro melhor.

Por Marcelo Silva – Fotos: Marcus Lauria – CarpointNews

up-6 up-5 up-4 up-3 up-2 up-1